generalidades

Generalidades, não conformidade e ação corretiva

As generalidades previstas na norma ISO 9001:2015 são fundamentais para assegurar a padronização de produtos e/ou serviços que atendam às necessidades dos consumidores e às exigências impostas por condições regulatórias, legais e até internas.

O padrão de gestão de qualidade – principalmente, em seu décimo requisito -, diz respeito a como empresas lidam com situações adversas e qual é a sua capacidade de realizar ações corretivas, sem comprometer o planejamento em suas negociações.

A seguir, descubra como a cultura de gestão da qualidade é fundamental para detectar não conformidades e executar as devidas ações corretivas. Além disso, saiba mais acerca das generalidades e como a nova versão da norma ISO já integra essa premissa à ideia geral de satisfação dos clientes.

O que, de fato, são as generalidades?

A principal função da ISO 9001:2015 é assegurar que as empresas certificadas determinem e providenciem todos os recursos necessários à implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) contínuo

Em poucas palavras, isso significa fornecer aos processos e envolvidos os meios que forem necessários para o estabelecimento e a manutenção de um gerenciamento com capacidade de evoluir constantemente. Visando o melhor resultado final possível em relação à produtos e/ou serviços comercializados e garantindo conformidade àquilo que é ofertado, ou mesmo “prometido”, aos clientes.

As generalidades, logo, dizem respeito às capacidades e também restrições de recursos internos existentes. Algo que precisa ser obtido de provedores externos, bem como critérios de aceitação, padronização, monitoramento, entre outros.

Ao comprar uma caixa e embalar determinado produto, por exemplo, a empresa contratante precisa ter certeza de que as medidas acordadas sejam respeitadas na entrega final!

As generalidades da ISO 9001:2015 atestam justamente a capacidade que um negócio tem de evitar esse tipo de problema. Pois a implementação o torna eficaz contra possíveis negligências ou despreparos em relação às eventuais não conformidades que desafiam qualquer operação.

Qual a importância de uma cultura de gestão da qualidade?

Quando as generalidades que precisam ser consideradas em um processo de melhorias são os alicerces das atividades de uma empresa, dificilmente haverá algum revés de conformidade que não possa ser contornado sem grandes problemas.

Implantar uma cultura de gestão da qualidade é ir além das ações que garantem a eficiência de setores específicos. Promovendo uma integração entre as melhorias estabelecidas em absolutamente todas as práticas de gestão, métodos e produtos e/ou serviços.

É preciso que cada indivíduo entenda claramente o seu papel dentro da organização e de que forma as suas atividades influenciam o contexto geral. Detectando novas oportunidades ou eventuais ameaças que influenciam na evolução do negócio como um todo.

Em poucas palavras, um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) envolve absolutamente todas as generalidades de uma organização, não se limitando como uma atividade com o fim em si mesma!

Isso significa que todos os setores devem estar engajados e não abordar melhorias apenas como ações necessárias em momentos de crises. Mas, sim, como um processo constante, global e participativo, para que empresas continuem evoluindo e otimizando seus padrões de excelência.

Como criar um sistema de correções e melhorias?

A norma ISO 9001:2015, mais especificamente em seu décimo item – que trata sobre as generalidades -, não só reafirma o dever constante da realização de melhorias objetivas em produtos e/ou serviços. Mas estabelece também a necessidade de antecipar demandas do mercado e dos consumidores, a fim de gerar o maior grau possível de satisfação.

Isso só é possível em negócios que realmente ponderam suas não conformidades e ainda estabeleçam ações corretivas efetivas. Sem preocupar-se em apontar erros, mudar os seus padrões, adotar novas tecnologia e/ou promover verdadeiras revoluções em determinadas atividades quando necessário.

Confira os principais pontos a serem considerados na hora de gerir as não conformidades e ações corretivas, relacionadas às generalidades da sua organização:

Revise constantemente os seus processos

Antes de mais nada, tenha os objetivos da sua empresa em mente e analise cada processo necessário minuciosamente, a fim de que todos eles sejam cumpridos. Feito isso, pondere sobre questões básicas, tais como:

– “Existe algum fator que impeça o cumprimento dessas metas?”;

– “Quais melhorias são capazes de otimizar a busca por determinados objetivos?”;

– “Há finalidades conflitantes em minhas operações?”.

Ao comparar as atividades em tempo real com os objetivos estabelecidos, é possível obter informações e insights claros sobre o que precisa ser alterado e colocado em conformidade!

Avalie o desempenho dos seus produtos

Em relação aos seus produtos e/ou serviços, é preciso entender quais são os principais desejos e necessidades dos interessados, sejam clientes, fornecedores ou colaboradores.

De nada adianta você criar uma embalagem totalmente diferenciada para o seu produto, por exemplo, que realmente seja capaz de chamar a atenção do público. Caso o fornecedor do novo material cobre caro, ou mesmo a própria transportadora não aloque adequadamente a carga em seu novo formato, não terá valido a pena!

Sendo assim, estabelecer ações que acompanhem objetivamente o tipo de questão, como registros de negócios com fornecedores ou pesquisas de satisfação com clientes, é algo que torna possível detectar quais processos e generalidades têm capacidade de evolução para sanar as suas expectativas.

Melhore suas práticas de gestão

Como mencionamos anteriormente, a fim de que a detecção das não conformidades e o estabelecimento de ações corretivas das generalidades agreguem resultados para as empresas, todos os envolvidos precisam engajar-se numa cultura de gestão da qualidade.

Dessa forma, todos devem entender a sua função de modo global e quais impactos causam nos resultados coletivos da organização. Que deve dar liberdade para que qualquer pessoa participe e reorganize o que for necessário à sua evolução.

Felizmente, novas técnicas e ferramentas não param de surgir em relação à administração dessas demandas. Como é o caso do software Visto, que é capaz de facilitar e até otimizar a atuação com processos minuciosos, participativos e mutáveis.

Entenda mais sobre o assunto!

A forma com que a última versão da norma ISO 9001 lida com as generalidades, as não conformidades e as ações corretivas representa um grande salto no que se refere à edição de 2008.

Se antes todos os focos de uma organização deveriam voltar-se apenas para produtos e/ou serviços, agora, é a satisfação dos indivíduos e também a evolução da responsabilidade das empresas enquanto instituições que realmente importa.

Gostou de acompanhar mais esse conteúdo exclusivo? Fique de olho em nossos próximos artigos para saber tudo acerca das normas ISO, suas generalidades e outros temas!

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer se juntar à discussão?
Sinta-se à vontade para contribuir!

Deixe uma resposta