responsaveis tecnicos

A importância da qualificação e atualização dos Responsáveis Técnicos RT´s

Os Responsáveis Técnicos ((RTs) são alguns dos profissionais mais importantes no que se refere à atuação de empresas na área da Saúde.

Isso porque seu alto grau de competência, quando empregado nas tarefas diárias das organizações, garante que a qualidade de itens médicos e OPMEs seja também elevada. Dessa forma, beneficiando tanto os negócios que estão atuantes no mercado, quanto a vida e o bem estar dos consumidores finais.

Neste post, vamos falar sobre a importância do treinamento para Responsáveis Técnicos (RTs) – com o intuito de aumentar a segurança do paciente -, explicar de que maneira isso está pautado na legislação e como impacta no Sistema de Gestão de Qualidade (SGQ).

A importância do treinamento de Responsáveis Técnicos (RTs)

A atual grade de formação dos profissionais de Saúde do Brasil não os prepara de forma igualitária em aspectos técnicos e administrativos, nas diferentes áreas de atuação em que são habilitados.

Esta formação fica ainda mais deficitária se falarmos daqueles que trabalham em empresas fabricantes e/ou importadores de produtos hospitalares. Isso porque medical devices, como são chamados internacionalmente, têm uma ampla lista de diferentes itens, com legislações específicas e atualizadas exaustivamente pela Agência Nacional de Saúde (ANS). O que exige uma frequente atualização dos seus conhecimentos.

Os Responsáveis Técnicos (RTs) são aqueles profissionais que respondem tecnicamente pelo produto produzido ou importado. A imagem de uma pessoa negligente, que somente assinava papéis perante a Vigilância Sanitária, é tão ultrapassada como falida.

As empresas buscam cada vez mais colaboradores completo, que além de conhecer bem o produto e as leis sanitárias, entenda de gestão e busque, junto aos administradores, quais são os melhores custos e resultados.

Dessa forma, a qualificação profissional é um complemento da formação acadêmica, sendo requisito essencial para alcançar o sucesso no mundo globalizado – e mais importante ainda quando nos referimos aos Responsáveis Técnicos (RTs).

Por que a qualificação e atualização são necessárias?

Apostas são especuladas com bastante frequência nos mais diferentes setores. No entanto, o mais importante deles talvez seja o de Saúde. Cirurgias com menor índice de invasão, novas táticas e otimizações que se convertem em vantagens para os consumidores finais e a administração de empresas ou hospitais são alguns dos assuntos que mais aparecem na qualificação específica. Por este motivo, se tornam fundamentais a quem atua no mercado.

Com foco neste objetivo, listamos alguns fatores que exemplificam a necessidade de estar qualificado a todo momento. Veja quais são eles, a seguir!

Capacitação

Ir atrás de capacitação é uma ótima maneira de se reciclar e potencializar o conhecimento sobre aquilo que já sabe. Não importa o período no qual você concluiu a sua formação, o primordial é estar atualizado em relação ao que vem sendo debatido em todo o setor. Até porque, ele vive em constante aperfeiçoamento.

Verificação de apostas

Nestas horas, são conversadas novas táticas e apostas. Uma vez que várias qualificações e cursos são aplicados por pessoas que são autoridades do setor, elas devem oferecer o que existe de mais recente sobre os assuntos, além de dividir seu know-how. É uma chance e tanto de estar em conformidade com o que exige o mercado.

Networking

As qualificações ainda são grandes aliadas do networking. Afinal, conhecer outras pessoas que trabalham no seu setor em diferentes organizações é uma excelente oportunidade para maximizar seus contatos e solidificar a rede. Até porque, em qual outro cenário você pode juntar inúmeros colaboradores em apenas um lugar?

Evolução profissional

A qualificação constante traz vantagens a médio e longo prazo para os trabalhadores. Uma das principais pode ser indicada como os ganhos que podem ser conquistados dentro do negócio no qual as pessoas atuam. Boa parte das instituições reconhecem Responsáveis Técnicos (RTs) que procuram crescer no setor, dando bônus e possibilidades de evolução.

Refresco

Os cursos e qualificações servem ainda para apresentar aos colaboradores as chances de atuação, estendendo os seus horizontes. Muitas pessoas se matriculam em cursos e, neste caso, passam a observar quais setores são dignos de maior imersão – ou até mesmo os que possuem maior compatibilidade.

De que maneira isso está pautado na legislação?

De acordo com a Resolução de Diretoria Colegiada (RDC) nº 63, de 25 de novembro de 2011, o Responsável Técnico (RT) pode ser definido como o “profissional de nível superior legalmente habilitado, que assume perante a vigilância sanitária a responsabilidade técnica pelo serviço de saúde, conforme legislação vigente”. Além disso, esta regulamentação traz várias informações necessárias sobre como deve ser regido o papel deste colaborador.

No capítulo II (Das Boas Práticas de Funcionamento), seção III (Das Condições Organizacionais), informa no seu Art. 9º que “o serviço de saúde deve possuir regimento interno ou documento equivalente, atualizado, contemplando a definição e a descrição de todas as suas atividades técnicas, administrativas e assistenciais, responsabilidades e competências”.

Em parágrafo único do Art. 10, ainda é contemplado que “os estabelecimentos integrantes da Administração Pública ou por ela instituídos independem da licença para funcionamento, ficando sujeitos, porém, às exigências pertinentes às instalações, aos equipamentos e à aparelhagem adequada e à assistência e responsabilidade técnicas, aferidas por meio de fiscalização realizada pelo órgão sanitário local”.

Já no Art. 14, a RDC nº 36 orienta que “o serviço de saúde deve ter um responsável técnico (RT) e um substituto”. Somando-se a esta informação, o parágrafo único mostra ainda que “o órgão sanitário competente deve ser notificado sempre que houver alteração de responsável técnico ou de seu substituto”.

Fora isso, os Arts. 15 e 16 afirmam que “as unidades funcionais do serviço de saúde devem ter um profissional responsável conforme definido em legislações e regulamentos específicos”. E, também, que “o serviço de saúde deve possuir profissional legalmente habilitado que responda pelas questões operacionais durante o seu período de funcionamento”, respectivamente. No parágrafo único deste último, é mencionado que “este profissional pode ser o próprio RT ou técnico designado para tal fim”.

O Art. 18 também é importante, já que trata de ressaltar que “a direção e o responsável técnico do serviço de saúde têm a responsabilidade de planejar, implantar e garantir a qualidade dos processos”.

Deseja se aprofundar no assunto e ler mais sobre a atuação dos Responsáveis Técnicos (RTs)? Clique aqui e baixe o nosso e-book, gratuitamente!

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer se juntar à discussão?
Sinta-se à vontade para contribuir!

Deixe um comentário